GNL - CONTOS E ENCANTOS

Blog pra quem gosta de contos!

Como prometido aqui está a melhor redação da turma do 8º ano do C.E.M.N.A:

Férias

   Férias é algo tão maravilhoso que poderia ser considerada uma das sete maravilhas do mundo, mas só quando se sabe aproveitar, que não foi o meu caso.
   Quando falamos a palavra férias a primeira coisa que pensamos é viagem, praia, cinema, diversão com os amigos, compras e festas.
   Mas as minhas férias não foram assim. O adjetivo correto para as minhas férias é "tédio", isso mesmo, tédio! A única coisa que eu fiz foi dormir, comer e passear mo computador. A única coisa que fiz de bom foi ler (adoro ler livros). Estou lendo o livro "A cabana', é bom demais.
   Pena que eu nã me diverti muito, mas agora é tarde pra lamentar, elas já acabaram.

                                                                                           Arielly Cristina.

O poeta e a poesia - Fran Sousa

Coração de poeta é uma fonte
Onde brota o amor e a saudade
Se não ama não tem felicidade
E o amor para o verso é a ponte
Que atravessa a linha do horizonte
Numa noite cruel de nostalgia
Cada verso se torna uma alegria
Sua dor ele cura declamando
Passa a brisa da noite derramando
Sentimento, saudade e poesia.

Fran Sousa

Crônicas de uma vida sem luz

Crônicas de uma vida sem luz
Capítulo 2 – O Brasil me espera
A lua brilhava no céu estrelado de Madri, capital espanhola. Patrícia caminhava pelas ruas, as horas já estavam adiantadas. Não havia mais ninguém ali, tirando alguns bêbados que estavam deitados nas calçadas. A jovem que havia tentado tirar a vida estava ali caminhando naquelas ruas escuras. Ela tinha uma expressão lívida e suave, seus traços ainda eram de uma jovem de pouca idade, apenas seus olhos haviam mudado, eles tinham uma cor diferente e davam medo a quem os fitasse a noite.
O ano era o de 1845. Patrícia havia mudado para a Espanha havia alguns anos. Ela continuava sua caminhada, então de repente foi abordada por um homem de mais ou menos uns 30 anos:
- Hola chica! A donde va esta hora de la noche?
Esse homem segurava uma pequena e afiada faca na mão direita. Aquela era uma situação onde qualquer mulher se sentiria ameaçada, mas aquela mulher que estava naquele lugar era muito diferente. Aquele pobre homem não teve nem chance gritar, pois teve sua cabeça arrancada em apenas alguns segundos. Uma expressão horrível e assustadora havia tomado conta da face daquela jovem vampira. Com a mão direita ela puxou o corpo do homem até um beco; com a mão esquerda ela segurava a cabeça que respingava sangue escarlate. Ali no beco ela bebeu até a última gota de sangue que havia naquele corpo.
Na manhã seguinte o corpo foi encontrado, o crime chocou a todos e houve uma crise de espanto mútuo na cidade, pois aquele não havia sido o primeiro caso de uma morte cujo todo o sangue da vítima havia sumido. O assunto estampava todos os jornais locais. Chamavam o assassino de Hijo de Judas. Mas ninguém fazia ideia de que o assassino na verdade era uma jovem que aparentava ser a mais doce criatura.
Aquela paz que Patrícia sentia estava quase no fim. Em uma noite quando ela estava sugando o sangue de um rapaz, é surpreendida por várias pessoas. Eles carregavam tochas e estacas nas mãos. Eram todos homens. Todos ficaram perplexos ao ver ali a figura de uma jovem em vez de um homem. Os homens recuaram um pouco quando viram aquele rosto assustador. A vampira saiu pulando sobre suas cabeças até que sumiu na escuridão da noite.
Logo após a sua descoberta Patrícia tinha seu retrato falado em todos os jornais da cidade. Ali não dava mais para ela ficar. Então resolveu voltar para seu país, o Brasil. Ela pensava consigo:
- Tenho assuntos pendentes por lá, vai ser bom voltar. O Brasil me espera!